Posts com Tag ‘controle mental’

 

 

 

 

 

 

 

 

( artigo publicado no extinto site rizoma.net )

Gregory Sinaisky

Como distinguir uma reportagem autêntica de um artigo fabricado para

produzir o efeito de propaganda desejado? A guerra no Iraque nos

fornece muitas amostras para um estudo das técnicas da desinformação.

Observe o título: “Xiitas de Basra organizam revolta e atacam tropas do

Governo”, publicado em 26 de março no The Wall Street Journal Europe .

Utilizando-o como exemplo, tentaremos armar os nossos leitores com

princípios básicos das técnicas de análise da desinformação, com a

esperança de que no futuro isso lhes permita detectar o que é fraude.

O título do artigo soa bastante definitivo. O artigo, contudo, começa com

muito menos certeza. “Oficiais militares dizem que a população xiita de

Basra … deu a impressão de estar se rebelando”. As sentenças “oficiais

militares” e “deu a impressão de estar” deveriam imediatamente fazer

com que surja um alerta para o leitor, especialmente devido a sua má

combinação com o título que é tão definitivo. Por que “oficiais”? Eles

falavam em coro? Ou cada um deles estava apenas proporcionando uma

informação complementar? Uma reportagem verdadeira certamente nos

responderia estas perguntas e também nos informaria os nomes dos

oficiais ou no mínimo diria a razão porque não podem ser identificados.

Por que foi utilizada a frase “deu a impressão”? Existem sempre razões

específicas para que algo “dê a impressão”. Por exemplo, a notícia sobre a

revolta da população xiita de Basra pode ser incerta porque foi fornecida

por um desertor iraquiano que não é considerado confiável e não foi

confirmada por outras fontes. Mais uma vez, todo repórter profissional

entende que seu trabalho é proporcionar tais pormenores e são

exatamente estes pormenores que tornam sua reportagem valiosa,

interessante e memorável. Se todos estes importantes pormenores não

estiverem presentes, isto é com certeza um sinal para suspeitar de

desinformação intencional.

Mais abaixo neste artigo notamos exemplos ainda mais espantosos de

imprecisões. “Repórteres no local disseram que as tropas iraquianas

atiravam nos cidadãos que protestavam…”. Para um leitor perspicaz, esta

pequena sentença deveria levá-lo a todo um conjunto de questões.

Estariam os jornalistas mencionados incorporados nas tropas? Qual era a

sua localização e a que distância observavam os acontecimentos?

Obviamente, estar numa cidade sitiada e onde ocorrem tumultos é um

trabalho extremamente perigoso. Por que nos foram ocultados os nomes

dos repórteres autores deste brilhante feito, ao invés de proclamá-los

com orgulho? Por que não quiseram contar de onde observavam e como

conseguiram chegar lá? De qualquer maneira, em tais circunstâncias,

estar mais próximo da cena do que a distância de um tiro de rifle,

digamos um quilômetro, merece uma explicação especial. Agora, uma

questão interessante: quais são os indícios visuais que permitem a um

repórter, a esta distância, distinguir entre uma revolta e, digamos, tropas

que disparavam sobre saqueadores ou outras muitas explicações

possíveis para os mesmos fatos observados?

A única pista que posso imaginar não é visual, mas uma indicação oral de

um editor pedindo a um jornalista que relate — o que não podemos

explicar de nenhuma outra forma senão como uma tentativa de

desinformação intencional. Dada a natureza muito específica da

desinformação produzida neste caso particular, seu óbvio efeito tanto

sobre a resistência iraquiana como sobre a opinião pública anti- guerra,

não podemos encontrar nenhuma outra explicação para este fato —

exceto que The Wall Street Journal colabora diretamente com o

departamento de guerra psicológica do Pentágono.

Alguma luz inesperada é lançada a esta estória através da expressão: “UK:

Iraque sente forte reação em Basra”, publicada na CNN.com, também em

26 de março. Neste artigo, a reportagem original sobre uma revolta de

civis é atribuída a “autoridades militares britânicas e a jornalistas”, mais

uma vez não identificados. Aqui, o coro dos “oficiais” que cantam em

uníssono com os “jornalistas” faz com que alguma coisa se torne mais

específica. Uma declaração extremamente bizarra é relatada: “Temos

radares que, ao acompanharem a trajetória dos tiros de morteiro, são

capazes de descobrir a fonte e o alvo de destino, que neste caso eram

civis de Basra”. Portanto, agora sabemos que a revolta em Basra fora

detectada por oficiais britânicos e jornalistas que observavam uma tela de

radar! Este inacreditável radar britânico pode até mesmo distinguir um

oficial do Iraque de um simples cidadão e um civil de um soldado. Além

disso, aparentemente pode ler mentes e determinar as razões porque as

pessoas disparam umas sobre as outras!

Na verdade, há uma grande mentira na informação atribuída aos oficiais

britânicos. Ou talvez eu esteja errado e este seja um exemplo do famoso

senso de humor britânico posicionado para livrar-se dos impertinentes

correspondentes americanos? Coro dos correspondentes americanos:

Está acontecendo uma revolta em Basra? Sim, deve estar. O meu editor

pediu-me que noticiasse isso. Como vocês ficaram sabendo? Isto é

impossível, meu editor me disse que…” Oficial britânico: “Tudo bem. Eu

vejo isso no radar”. Sons de telefones celulares sendo discados e teclados

digitados…

Conclusão: Lembrem a primeira regra de análise da desinformação: a

verdade é específica e a mentira é vaga. Procure sempre por detalhes

concretos em uma reportagem e se o quadro não estiver focado, deve

haver razões para isso.

Querem saber os nomes das estrelas da desinformação para examiná-los?

O artigo de The Wall Street Journal foi “compilado” por Matt Murray em

Nova Iorque, a partir de reportagens feitas por Christopher Cooper em

Daha, no Qatar, Carla Anne Robbins e Greg Jaffe em Washington, e

Helene Cooper com a 3ª Divisão de Infantaria do Exército dos Estados

Unidos, no Iraque.

 

Tradução de Cristiane Abreu

 

O original deste artigo está publicado no Asian Times.

Anúncios

Alguns dias atrás postei uma matéria sobre o Dr. Royal Raymond Rife, suas pesquisas e o desenvolvimento do seu poderoso microscópio de 60.000x.

Pesquisando mais a fundo sobre as descobertas do Dr. Rife, descobri que ele criou uma tabela gigantesca, onde ele catalogou quase todas as doenças ou anomalias conhecidas pelo homem, e a frequência ressonante responsável pela sua eliminação em nosso organismo.

Embora esses conceitos pareçam fantasiosos e muito com cara de “Nova Era” é importante notar que a própria ciência convencional reconhece que todo e qualquer objeto material, orgânico ou não, possui sua própria frequência ressonante, e que, obviamente a Terra também possui sua frequência.

Segundo a Ressonância Schumann, a Terra “funcionaria” com uma frequência magnética de 7,83 hertz, a mesma frequência que percorre o cérebro humano e de todos os seres vertebrados do planeta, usando a sequencia matemática de Fibonacci, se nota que tudo a nossa volta é criado e modificado através de frequências numéricas ou sonoras, o Dr. Masaru Emoto, em 2003, fez algumas experiencias de forma muito simples e rustica, onde ele mostra que certas frases, notas musicais e sons, podem alterar a estrutura molecular da água, apesar de ter sido duramente criticado, o Dr. Emoto continua com suas pesquisas, embora ser ter os recursos necessários para um estudo mais aprofundado e de acordo com as exigências da comunidade cientifica tradicional.

Frequências ressonantes alterando as moléculas de água

Um fato curioso que talvez passe desapercebido para muitos é a forma como a música moderna é produzida, a maioria delas são gravadas com base na frequência sonora de 440 hertz, mas nem sempre foi assim, em 1939 o então ministro da propaganda da Alemanha nazista, Joseph Goebbels, tentou de todas as formas, criar um novo padrão de como a música deveria ser gravada, em 440 hertz, nessa época o padrão era o de 432 hertz. Goebbels não teve sucesso em suas tentativas, porém, com o final da guerra, foi criado um novo padrão para essa frequência, o ISO 16, que regulamentava 440 hertz como sendo o mais indicado para a afinação de instrumentos musicais e para a gravação de musicas e sons

O antigo padrão de 432 hertz, que era recomendado pelo governo da Áustria desde 1885, foi abolido e adotado em seu lugar o novo padrão de 440 Hz.

Isso parece não fazer nenhum sentido, por que modificar um padrão musical que aparentemente não irá fazer nenhuma diferença para quem ouve?

A verdade é que realmente uma alteração de alguns poucos hertz fará uma enorme diferença, que talvez não seja percebida pelos nossos ouvidos, mas será entendida de uma forma diferente pelo nosso cérebro e pelas moléculas de nosso corpo, assim como o Dr. Emoto expõe em seus experimentos, que as moléculas da água se alteram com o som, o corpo humano, que é formado basicamente de água, também estaria sofrendo alterações de acordo com certas frequências sonoras, mais especificamente, nosso cérebro, criando estados alterados de percepção, de comportamento e pensamento.

Tudo fica ainda mais suspeito quando o partido nazista alemão tentou mudar esse padrão, é sabido que Joseph Goebbels era um mestre em manipulação de massa, levando multidões a atingir estados de epifania coletiva com suas técnicas de propaganda e repetição de palavras-chave, que levaram toda a Alemanha a adotar o conceito de “guerra total”.

Ao se comparar a mesma música gravada em duas frequências diferentes, percebemos que existem diferenças imperceptíveis que só podem ser notadas ouvindo-as em volume alto e de uso de fones de ouvido, a resposta aos diferentes estímulos sonoros criados pelas distintas frequências é percebido de imediato pelo cérebro, onde frequências de 440 Hz. nos deixaram mais “atentos”, despertando os sentidos, nos deixando alertas e com a adrenalina em alta, uma predisposição ao stress e a explosões de fúria, exemplos são as musicas eletrônicas, heavy metal, e alguns ritmos pop, todos gravados com base na frequência de 440 Hz.

Os cantos gregorianos nos séculos passados, eram cantados usando a frequência de 432 ou 435 Hz., que teriam um efeito contrario dos sons em 440 Hz., acalmando a mente, trazendo um estado onde corpo se sentiria mais equilibrado, predisposto e descansado, ou seja, sem stress e aberto ao pensamento mais consciente e racional.

Analisando os números 432 e 440 segundo a escala Fibonacci, veremos que os 432 cria uma onda perfeita, um fractal harmonioso e balanceado, já o 440 desenvolve uma onda violenta, imperfeita, que pode ser observada na escala musical de Pitágoras, onde apenas o 432 cria uma espiral perfeita.

O universo é sem dúvida, matemático, a música, com suas 7 notas musicais é por sua vez também matemática, a sequência Fibonacci e a escala musical

Espiral Pitagórica

pitagórica nos dá a prova disso, é possível ver que a frequência 432 Hz. pode ser considerada como a frequência da “criação” enquanto que a 440 Hz. seria a frequência sonora da “destruição”.

Alguns geneticistas e biólogos fazem uso de ondas de alta-frequência para alterar geneticamente o DNA de certos organismos em laboratório, e isso já vem sendo feito a alguns anos.

Quando pensamos nas pesquisas de Royal Rife, George Lakrovsky, ou até mesmo nos mantras do hinduísmo e do budismo, não podemos deixar de imaginar que os sons, as frequências sonoras estão em tudo e preenchem todos os lugares, e tem funções distintas entre si, com propósitos diferentes, a NASA alguns anos atrás lançou uma coletânea de CDs de áudio, onde se ouviam os sons emitidos de vários planetas do sistema solar, que alegadamente foram gravados a partir de sondas espaciais, alguns sons criam um estado de irritação e agitação, uma certa ansiedade, já outros colocam quem os ouve, em um estado de relaxamento e até mesmo sonolência.

Gregg Braden

O pesquisador e escritor americano Gregg Braden, em seus muitos anos de estudos e pesquisas sobre as frequências sonoras e magnéticas, chegou a conclusão de que ondas de baixa frequência interferem na forma como vemos a realidade e agem diretamente no comportamento das pessoas, criando o medo e a apreensão, imaginemos o nosso mundo atual, com seus milhares de pontos de transmissão de ondas de baixa frequência espalhados ao redor do planeta ( micro-ondas, antenas de sinal de rádio, de celulares, TV, etc ) alterando a todo momento o modo que nosso organismo se comporta, de como nosso cérebro age e quem sabe o que mais essas frequências podem estar causando.

O que fica muito evidente em tudo isso é que, não tem como negar que tudo tem sua própria frequência ressonante, que podemos alterar o estado de certas matérias usando a ressonância correta, podendo inclusive destruir ou favorecer a criação de uma nova estrutura.

O conhecimento dos efeitos de tais frequências são conhecidas há muito tempo, seu uso e seus propósitos, mas aparentemente a indústria fonográfica, os músicos e principalmente os ouvintes, não estão muito preocupados com esses efeitos, que possivelmente podem, a longo prazo, modificar o nosso comportamento e até mesmo afetar a forma como vemos a realidade, por mais que isso pareça “fantasioso”, as evidencias cientificas que são apresentadas estão muito longe de serem apenas mais uma das “teorias da conspiração”.

Autor : Kyoshi Taka – Chaos D.C – 2012

Há muitos anos atrás, quando eu ainda estava a desconfiar que o mundo era algo muito diferente do que imaginamos, ouvi dizer coisas como controle mental, mídia manipuladora, entre outras coisas. De começo desconfiei, quem poderia realmente me garantir que essas acusações não seriam elas mesmas uma espécie de controle mental, nos jogando contra as “verdadeiras informações” , afinal quem poderia afirmar que a enorme rede de informação existênte poderia, em algum momento falsificar notícias ou desviar  nossa atenção dos assuntos tão visíveis e presentes no nosso dia-a-dia.

Observando toda a informação que temos nos dias de hoje, jornais, televisão, e até mesmo a própria internet começo a ver  que a informação tida como  confiável já não pode ser tratada como tal, o monopólio da informação está nas mãos de algumas poucas pessoas que no fundo estão todas ligadas, seja por laços familiares ou sociedades empresariais.

O escritor e jornalista belga Michel Collon, em 1996 fez um levantamento de todas as maiores  empresas que, de uma forma ou outra possuiam grande poder de influência na mídia mundial, o resultado dessa pesquisa é no minimo curiosa, os maiores conglomerados que absolutamente controlam TUDO que o mundo vê, lê ou passa seu tempo estaria nas mãos de apenas umas poucas empresas ou grupos  empresariais, e isso  em 1996.

Seriam elas :

GRUPO PROPRIETÁRIO

EMPRESAS

America-OnLine Tvs: CNN, HBO, Turner Network Television (TNT), Turner South, Cartoon Network; Produtoras: Time Warner Brothers, Hanna – Barbera Cartoons, Telepictures Production; Revistas: Time, Fortune, All You, Business 2.0, Life, Sports Illustrated, Inside Stuff, Money, People, Entertainment Weekly, The Ticket, In Style, Southern Living, Progressive Farmer, Southern Accents, Cooking Light, The Parent Group, This Old House, Sunset, Sunset Garden Guide, The Health Publishing Group, Real Simple, Asiaweek, President, Dancyu, Wallpaper (U.K.), Field & Stream, Freeze, Golf Magazine, Outdoor Life, Popular Science, Salt Water Sportsman, Ski, Skiing Magazine, Skiing Trade News, SNAP, Snowboard Life, Ride BMX, Today’s Homeowner, TransWorld Skateboarding, TransWorld Snowboarding, Verge, Yachting Magazine, Warp); Informática: Netscape; Livraria: Amazon.com (parcialmente).
News Corporation Tvs: Fox News, FOXTEL, BSkyB, DirecTV, Sky Italia, Fox News Channel, Fox Movie Channel, FX, FUEL, National Geographic Channel, SPEED Channel, Fox Sports Net, FSN New England (50%), FSN Ohio, FSN Florida, National Advertising Partners, Fox College Sports, Fox Soccer Channel, Stats, Inc., Star TV; Produtoras de cinema: 20th Century Fox, Fox Searchlight Pictures, Fox Television Studios, Blue Sky Studios; Jornais nos EUA: The New York Post; Jornais no Reino Unido: The Times, The Sun, The Sunday Times, News of the World, News International; Jornais na Austrália: Daily Telegraph, Fiji Times, Gold Coast Bulletin, Herald Sun, Newsphotos, Newspix, Newstext, NT News, Post-Courier, Sunday Herald Sun, Sunday Mail, Sunday Tasmanian, Sunday Territorian, Sunday Times, The Advertiser, The Australian, The Courier-Mail, TheMercury, The Sunday Telegraph, Weekly Times; Revistas: InsideOut, donna hay, SmartSource, The Weekly Standard, TV Guide (parcialmente). Possui 38 editoras. Controla 2/3 do mercado australiano de jornais e revistas.  Em 1996 possuía 535 jornais e 244 revistas.
Dassault-Aviation (empresa de armamentos) Grupo Sopresse, que edita cerca de 70 títulos, entre os quais Le Figaro, L’Express, L’Expansion, ValeursActuelles, Journal des Finances, Le Progrès de Lyon, La Voix du Nord, e dezenas de jornais regionais.
Arnault Lagardère (empresa de armamentos) Grupo Hachette, que edita 47 revistas entre as quais Elle, Parents, Prémiere e jornais como La Provence, Nice- Matin, Corse-Presse. Possui 5 canais de televisão, 3 estações de rádios, 5 revistas, 2 jornais, 15 editoras e edita90% dos dicionários na França.

FIAT

Possui 23 jornais e revistas, entre os quais, Corriere della Sera e La Stampa.
Mediaset (Silvio Berlusconi) Possui 3 canais de tv na Itália (Canale 5, Italia Uno, Rete 4) e 1 canal de tv na Espanha (Tele 5). Finivest eClube AC Milan.
General Electric Tvs: NBC News (controla 80%, 20% pertence à Vivendi Universal), Telemundo, CNBC, MSNBC, Bravo, Mun2TV, Sci-Fi, Trio, USA; Produtora de cinema: Universal Pictures. Editora: RCA (controlada pelo Banco JP Morgan). Parte das ações pertencem ao Banco JP Morgan.

Sony

Produtora de cinena Columbia Pictures.
New York Times Jornais: The New York Times, International Herald Tribune, The Boston Globe, The Courier, The DailyComet, The Dispatch, The Gadsden Times, The Gainesville Sun, International Herald Tribune, The Ledger, The Press Democrat, Petaluma Argus-Courier, Sarasota Herald-Tribune, Spartanburg Herald-Journal, Star-Banner, TimesDaily, Times-News, The Tuscaloosa News, The Star News, The Worcester Telegram & Gazette. Possui 8 canais de tv nos EUA. No seu conselho de administração estão executivos de empresas como Merck, Morgan Guaranty Trust, Bristol Myers, American Express, Charter Oil, Johns Manville, Bethlehem Steel, IBM, Scott Paper, Sun Oil, First Boston Corporation.
Bertelsmann Tvs: canal RTL Grupe (RTL, RTL 2, SUPER RTL, VOX, n-tv, M6, Five, RTL 4, Yorin, RTL TV1); Rádios: Bel RTL, Yorin FM, RTL, RTL 2, Fun Radio, 104.6 RTL, Radio Hamburg; Produtoras: FremantleMedia, SPORTFIVE, teamWorx, UFA Film & TV ProductionsBroadway Books; Jornais: Financial Times Deutschland, Sächsische Zeitung, Blic, Evenimentul Zilei, Novy Cas; Revistas: Family Circle, Fast Company, Inc., Parents, YM, Brigitte, Capital, Eltern, Geo, Stern, Focus, Muy Interesante, News, Art, Schöner Wohnen, Essen & Trinken, P.M., Sächsische Zeitung, TV Media, Femme Actuelle, Prima, Télé-Loisirs, Top Girl, Claudia, Naj; Possui 25 editoras, entre as quais, Doubleday e Brown Printing; Editoras musicais: Arista Records, BMGAriola, BMG Canadá, BMG Japan, BMG Ricordi, BMG U.K. & Ireland, Jive Records, Milan Records, Sonopress, RCA Records, RCA Label Group, RCA Victor Group, Tablao, Windham Hill, Zomba Music Group.
Walt  Disney Company Tv: ABC; Produtora de cinema:  Walt Disney Pictures, Touchstone Pictures, Hollywood Pictures, Caravan Pictures, Miramax Films, Buena Vista Home Video, Buena Vista Home Entertainment, Buena Vista International, Miramax Films; Revistas: Automotive Industries, Biography, Discover, Disney Adventures, Disney Magazine, ECN News, ESPN Magazine, Family Fun, Institutional Investor, JCK, Kodin, Top Famille – French family magazine, US Weekly (50%), Video Business, Quality. Possui 14 editoras de livros e 66 estações de radio nos EUA.

Globo

Possui 94 TVs VHF, 8 TVs UHF, 96 estações de rádio e 24 jornais.

Fonte:  UNIrevista Julho/2006 – Filipe Reis Melo ISSN 1809-4561. Dados:  Columbia Jornalism  Review  http://www.cjr.org/tools/owners, COLLON, Michel. Ojo con los media! Hondarribia: Iru, 1996.

Fica claro que o mundo da informação está nas mãos de poucas pessoas, que de posse de tamanho poder podem muito facilmente manipular a informação da forma como bem entenderem, vale lembrar que esse diagrama foi elaborado em 1996, de lá para cá muitas empresas citadas foram absorvidas por outras que fazem parte do mesmo diagrama, por meio de fusão ou compra e venda.

Filósofos como o canadense Manly P. Hall em suas muitas palestras das quais muitas foram gravadas em audio já nos alertava para o controle das massas pela mídia, em especial pela  televisão, onde ele dizia : “ o ser humano não pode se deixar ser criado como um cachorrinho, onde , pela  televisão, ele está sendo  treinado para ser um idiota que não precisa pensar, pois a mídia iria pensar por ele. “

O psicólogo alemão G.Maletzke em seu livro “ Kulturvefall durch Fernsehen ? “  ( não é conhecida nenhuma edição em português ) de 1988,  cita como efeitos negativos da  televisão :

Sintonização com o espetacular e empobrecimento do conteúdo por meio de transmissão demasiado rápida ( cultura relâmpago ).

Percepção falsa da realidade ( tudo é transformado  em  “show” ).

Ocupação passiva do tempo livre.

Estimulação da  violência.

Empobrecimento da comunicação humana ( vida familiar e social ).

Diminuição da capacidade de fala e de leitura em crianças.

Do impulso para ler e brincar.

Nesse caso dei um exemplo do que apenas a televisão pode fazer , vivemos em mundo onde a informação vem de todos os lugares e muitas vezes não paramos para pensar de onde ela vem realmente, de quais fontes,  somos bombardeados continuamente e diariamente por um verdadeiro turbilhão informativo ou desinformativo que rege  nossas vidas, não temos tempo ou mesmo paciência para fazer uma analize mais sóbria e critica sobre muito do que somos forçados  a “digerir “  , sem pensar que no final a “congestão “ terá efeitos a longo  prazo e de forma duradoura e contínua, se espalhando como um câncer e passando de pai para filho.

Fontes de pesquisas : 

Livros :

 “Quatros Argumentos para a Eliminação da Televisão, Jerry Mander, 1978 “

“Televisão como Instrumento das Forças Ocultas, Lectorium Rosicrucianum,1994”

“Mídia como instrumento de controle  social, Filipe Reis Melo,2006”

Fim dos tempos ! invasão Alien ! Profecia Maya ! Iluminatis ! Ufa … ! teorias da conspiração realmente é um tema muito maneiro e muito interessante !
Mas espere ae… isso ae tudo é  conspiração ? ?

Vejamos o que nos diz o wikipédia sobre isso :

” Uma conspiração é uma combinação entre duas ou mais pessoas físicas com o objetivo de lesar outrem em algum momento futuro, e, em alguns casos, com pelo menos um um a(c)to secreto para fomentar essa combinação. Não há limite ao número de pessoas que participam de uma conspiração e, em muitos países, não há necessidade de que se comprove que o plano seria mesmo posto em prática para que haja uma acusação formal (o que difere de atentados, por exemplo, em que deve haver uma proximidade física do alvo para a perpetração do crime). Para fins de simultaneidade, o actus reus é contínuo, e as partes podem juntar-se ao mesmo posteriormente e ser igualmente acusadas de conspiração. Finalmente, o arrependimento expresso por um ou mais dos participantes não influi na responsabilidade, mas pode reduzir a sentença dos acusados. “

Hoje quando se fala sobre ” Teorias da Conspiração ” é o mesmo que falar sobre ” coisas do capeta ” ou ” fim do mundo ” , enquanto isso assuntos muito mais concretos em termos conspiratórios passam em nossa frente sorrateiramente sem que nos demos conta.

Acessando qualquer site sobre esse tema iremos encontrar uma infinidade de bizarrices e coisas que apenas a mente de uma criança poderia conceber, poucos são os que realmente levam o assunto a outro patamar, a grande maioria pretende ser um ” revelador de verdades ” sobre os assuntos mais absurdos e inacreditáveis possivéis, fazendo com que o próprio  termo ” Teoria da Conspiração ” seja visto como uma piada, pior ainda, uma piada sem a menor graça.

William Cooper é considerado o “Pai” das teorias conspiratórias por muitos, muito antes dos ataques de 11 de Setembro ele já ” profetizava ” sobre isso, de como o mundo iria mudar após esses eventos e de como era o ” modus operandi ” desse tipo de ação. Cooper era um ex-militar  e conhecia por dentro muitas engrenagens atrás do poder.

Certamente ele morreria de novo hoje em dia ao ver o que ele ajudou a criar, o monstro recheado de superstições e ignorância que se criou, muito diferente daquilo que ele pregava.

Quando analizamos os acontecimentos diários , vemos o noticíario ou folheamos um jornal muitas vezes somos tomados por uma opinião ou ponto de vista que nem sempre é o nosso próprio ponto de vista,quase nunca nos importamos em procurar as fontes dessas opiniões e quem as está divulgando e com qual objetivo, você irá dizer ” ora, para nos informar ! ” certo, mas será mesmo uma fonte de informação confiável ?

Para citar apenas um exemplo, ultimamente temos visto uma das principais publicações brasileiras envolvida em vários escândalos, com informações corrompidas pelo poder de influência e de dinheiro onde o que menos importa é informar, sem citar outras ” fontes confiaveis ” que existem por ae.

Compramos um passado e verdades sobre nós mesmos que não temos como comprovar sua veracidade, quando se fala em revisionismo histórico todos torcem o nariz, afinal para que remexer no que pode feder e trazer a tona questionamentos indesejáveis e perturbadores.

Enquanto a grande maioria está muito mais preocupada com ” invasões aliens ” e o ” satanismo ” dos livros de Dan Brown  testemunhamos a destruição da sociedade , dos principios morais , da pregação alienada das religiões ” neo-cristãs ” , dos exageros e excessos, dos pensamentos superficiais e do consumismo e individualismo sem precedentes.

E ainda a quem diga que nos está sendo preparada a ” Nova Ordem Mundial do Mal ” observando atentamente o nosso mundo social , mental e espiritual fica mais do que evidênte que essa nova ordem já está em pleno andamento, e não tem absolutamente nada de ” nova “.

Creio que está chegando o momento do ser humano se redescobrir verdadeiramente, abraçar com todo empenho o caminho libertador, do auto-conhecimento,começar a ver que a luz do saber só pode iluminar o que ela pode alcançar , que é nossa obrigação tomar conta daquilo que é a nossa maior herança, a verdade e o conhecimento sobre nós mesmos é a chave para isso, para enxergar o mundo como ele realmente deve ser.

A conspiração real , verdadeira e única esta em se tornar a mentira uma verdade absoluta e total, da mesma forma que a alemanha nazista fazia : Conte uma mentira inúmeras vezes, até que ela se torne a verdade indiscutível.

A mentira para se tornar uma verdade sem questionamentos deve por obrigação conter fragmentos da verdade, a grande maioria de nós não precisa conhecer todos os detalhes de uma história, apenas os detalhes mais contundentes já nos basta para aceitar qualquer coisa nos trazida como sendo a mais pura, bela e gloriosa verdade universal e única.

Esse texto é apenas uma pequena introdução para uma série de matérias que estarei postando brevemente aqui no Chaos D.C sobre ” Teorias das Conspirações ” para ” gente grande ” com temas polêmicos e esclarecedores, afinal de contas a verdade por mais feia que possa ser não irá deixar de ser a verdade em nenhum momento.

Fiquem ligados nos próximos tópicos , forte abraço a todos !